Etiquetas

sábado, 15 de novembro de 2014

NA HORA DO HOMEM

«Terra - Portal de Vida. Planeta do Homem»
DR J. Emanuel Queirós
Lançamento: Brevemente 

J. EMANUEL QUEIRÓS
Por mais que tentes segurar o pensamento e o queiras amarrar à tua vontade, ele não tem matéria de um só sentido nem dispõe de lógica humana em toda a sua serventia, como não há um só rumo certo para o vento em que voamos e nos assalta sem permissão num assomo laureado aos vencedores.

Em terra pairam as gaivotas em bando sobrevoando telhados tisnados pelo tempo, reagindo à decifração das cambiantes matizes outonais, descobertos aos céus numa aguada em que se esbatem os medos e dissipam os segredos da eternidade, para além dos territórios diáfanos e venturosos da alma em espera.
Sombrias e soturnas são as moradias que se alongam em espaçosas assoalhadas desocupadas logo abaixo das transparências vitrais das clarabóias. Um mar chão ao tom da argila cobre a cidade feita ao alto em ritmos descompassados e bruscos, sem métrica nem melodia pelo seu arfar apressado e sem juízo.

No milimétrico alinhamento do horizonte tingido a pastel, a distância entre infinitos perceptíveis recobre-se da mesma ilusão que o torna visível na doce sintonia das aparências de que se faz o mundo dos sentidos. Sentidos mudos e quedos, abertos num copado surdo pingando em círculo sobre a alvorada dos dias comuns. 

Tu és uma árvore no espelho da floresta ladeando o caminho solvente nas veredas em que o sol se espreguiça suavemente no chão morno. Tronco volúvel em chamas pungentes de um fogo-fátuo, timbrado o âmago em suas amarguradas redenções. 

Inevitável é o tempo do ir e do amar, do sentido no verso do sentimento e no seu equívoco bramir, solto em cachoeiras mansas sobre o vazio florescendo aos borbotões num êxtase caleidoscópico monumental.
Fluem imparáveis os ímpetos revigorados na natureza passiva, cursando suas correntes na ausência de um reconhecido norte, lavando com o pó da terra em polimentos ao mineral. 

É estranho o mundo avistado do alto da falésia ou do topo do farol entre algodões humedecidos cintilando suas rasas projecções para quem tacteia às cegas nos densos nevoeiros portadores de surpresas inauditas e de presságios lavrados a fogo e cinzel. 

A hora do homem chegará em breve no renascer deste contínuo desbravar de espaços e de vazios opacizados por matéria fluida como os nevoeiros fugindo ao bramido dos ventos que os tocam.

Sem comentários:

Enviar um comentário