Etiquetas

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

CULTURA POPULAR E O DESENVOLVIMENTO INFANTIL


Abordar este tema nesta fase em que me encontro talvez pareça um pouco demagógico, por andar de
ALINA SOUSA VAZ
DR
braços dados com um estudo sobre a cultura popular transmontano-duriense na perspetiva de António Cabral. Contudo, esta pesquisa científica é transporta, também, para um plano pessoal, pois sendo mãe de dois rapazes a minha forma de observar a cultura popular torna-se ainda mais peculiar, pois considero que eles, enquanto crianças, apenas têm benefícios no contacto direto com ela. 

Em momentos festivos, vai-se verificando, num ou outro momento, a inclusão por parte das escolas da Cultura Popular Portuguesa, através do uso de danças, de personagens em teatros, de músicas, de bailes e da literatura do folclore. Porém, considero essencial que ela faça parte dos programas educativos, pois além de fazer com que o aluno se interesse cada vez mais pelo assunto e se orgulhe da cultura do seu país, as atividades desenvolvem a concentração, o raciocínio e a coordenação, uma vez que a aprendizagem se faz por meio de jogos educativos, músicas, exercícios artísticos e das próprias festas tradicionais que as escolas promovem.

Defensora da importância da cultura popular no desenvolvimento infantil, considero que o papel dos pais, também, é preponderante para despertar o interesse dos filhos pela cultura popular. É fácil reunir um grupo de crianças e ensiná-las a preparar uma receita antiga de família ou pela altura do aniversário de um filho realizar jogos populares, como a corrida de sacos, jogo do farelo ou da farinha, da tração de cordas, jogo da vassoura ou o jogo do pino, por exemplo.

Os pais necessitam saber que a cultura é tudo aquilo que o homem produz e dá sentido à sua existência, seja de maneira material ou no campo das ideias. As produções resultam do modo como uma comunidade cria o seu vestuário, como compõe e dança as suas músicas, como se expressa por meio de gravuras, como cozinha, como cuida das suas doenças, organiza as leis e os seus valores.

Os pais necessitam saber que a cultura popular é produzida da relação do homem com a natureza (espaço físico que está inserido) e os seus semelhantes. Surge quando os indivíduos recriam usos e costumes típicos de um determinado povo, que mesmo sob influência de outras culturas, preservam inumeráveis hábitos que foram transmitidos e preservados oralmente de geração em geração. 

Desta forma, a escola deve ter como objetivo recolher e manter viva a cultura popular da sociedade em que está inserida. Os alunos através de pesquisas podem descobrir porque agem e vivem de determinada maneira, encontrando explicações para determinados comportamentos discutindo-os em grupo na sala de aula.

A escola pode possibilitar o contato e a reflexão sobre a cultura popular por meio de projetos que envolvam o folclore de uma forma geral, ou seja, através de contos de histórias, de brincadeiras orais como adivinhas ou trava língua, da culinária, da arte e música. Nas aulas de Educação Física ou na hora do recreio, por exemplo, é possível recuperar as brincadeiras de diversos jogos e brinquedos encontrados em diferentes regiões. Através da organização de eventos culturais de cariz popular ou pela participação das famílias no ensinamento de brincadeiras tradicionais, a escola pode proporcionar benefícios preponderantes nas aprendizagens da criança. 

Assim, a criança que ao longo dos tempos vai recebendo diferentes informações da cultura da sua comunidade, que serão internalizadas à medida que convive com seus pares, passará imediatamente agir sobre a realidade em que vive participando da construção cultural que está em constante movimento de transformação.

Importante não esquecer que a identidade nacional de um povo é constituída por hábitos culturais que são passados de pais para filhos, de avós para netos, informações que são vividas, adaptadas ou transformadas de acordo com as necessidades de cada comunidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário