Etiquetas

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

ADEUS! ATÉ SEMPRE!

GABRIEL VILAS BOAS
DR
É verdade que a Alemanha é cinzenta e que a saudade, nos primeiros tempos, é tamanha, mas os aviões levam cada vez mais jovens portugueses, cheios de sonhos e ambições para concretizar noutro lugar.
As estatísticas são frias, por vezes cruéis, sempre verdadeiras. Dizem-nos que 500 mil jovens portugueses deixaram o país na última década. Como são simpáticas não divulgam quantos patrícios sucumbiram à “saudade tamanha” de Abrunhosa. São poucos, muito poucos, tão poucos que nem vale a pena contar. Talvez por isso Abrunhosa tenha sentido necessidade de escrever aquele “hit” que nos entra pela alma adentro e nos magoa o coração, mesmo que não pensemos em ir embora.
Este país não é para novos e também não quer os velhos, a quem rouba, mês após mês, euro atrás de euro, uma dignidade cada vez mais mínima. Não é para jovens, despreza os velhos, proíbe as crianças, mas está excelente para aldrabões, corruptos, mentirosos, ou seja, a fina flor do entulho.
Regresso àqueles que partem, novos e velhos, e que não voltarão. Não tenhamos ilusões! As lágrimas de dor e raiva que brotam nos aeroportos hão de transformar-se em alegria contida, quando dali a dois anos, os ordenados de três/cinco mil euros lhes entrarem nas contas do banco. Verão que o inglês técnico do Sócrates sempre teve algum préstimo. E ao guiar um BMW em Berlim, Paris ou Amesterdão lembrarão palavras como “conforto”e “qualidade de vida”.
O mais certo é que não comprem amor pelo jornal. Virá de avião, de carro ou até a pé. Em todo o caso, eles – os jovens portugueses – é que não virão jamais para a terra do nunca. Aqui, cerra-se os dentes para perder devagarinho, mendiga-se uns jurinhos mais baixos para pagar a dívida a cinquenta anos!

Ei-los que partem, matando a alma dum futuro muito mais cinzento que a Alemanha. Abrunhosa gosta de acabar os concertos enchendo de lágrimas os olhos dos fãs e embargando a voz de comoção tamanha. Vivemos uma guerra silenciosa, onde as baixas levantam voo e não tombam. Os que ficam tombam devagarinho, por lhes faltar a inovação dos jovens, a loucura criadora, a coragem e o desprendimento que são a locomotiva de qualquer país. Alguns dizem “adeus e até ao meu regresso”, mas nós sabemos que é para sempre!

Sem comentários:

Enviar um comentário