Etiquetas

quinta-feira, 15 de maio de 2014

ENCONTROS MARAVILHOSOS

ANABELA BORGES
DR
Deixo o Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto em direção a Amarante. Trago um belo ramo de flores, mas trago, acima de tudo, uma grande satisfação. O dia, 1 de Abril, marca um dia de Primavera no calendário, mas as condições atmosféricas são as perfeitas… de um dia de Inverno. Valha-nos que, hoje, eu trago a primavera no coração.
Atravesso a comprida via-rápida, flanqueada de vegetação e algumas casas pequeninas, em pedra, que a evolução não apagou. Depois, subo, deixo para trás Vila Garcia e tomo o rumo das terras de Pascoaes, passo São Pedro de Aboim e Gatão, muita ruralidade ainda. Ali, mesmo às portas da cidade, o tempo de Pascoaes quase parado… Do outro lado do vale, do lugar onde uma linha de caminho-de-ferro já foi a principal ligação entre Amarante e Celorico, as fábricas da Tabopan, o lugar onde nasci, a casinha dos meus pais, encolhida na paisagem alterada, o lugar onde nasceram os meus sonhos. O vale fundo, a vegetação mais ou menos densa, os campos de cultivo, alguma ruralidade mais.
Regressar de um encontro com alunos, enquanto autora, deixa-me assim, cheia de inspiração e de satisfação. A satisfação é tão grande que chega a ser daquelas que muitos de nós já experimentámos, que é quando não nos cabe o coração dentro do peito.
Levo histórias para contar e trago as mãos cheias de sorrisos e palavras como flores.

As reações dos alunos são as mais variadas: os mais crescidos são os mais difíceis de conquistar – olham-me com desconfiança e estão à espera que as histórias não sejam boas, que eu deslize para um qualquer patamar que não lhes diga nada, para que eles tenham razão (a adolescência é um lugar complicado…) –, mas acontece que a conversa flui, vai desenvolvendo a VIDA (porque as histórias são isso), até que eles se vêem completamente envolvidos  na actividade, com questões de grande pertinência, normalmente coincidindo com essa fase esquisita das suas vidas, que é a adolescência; os mais pequenos são mais genuínos, ainda mantêm intacta a inocência e estão ali para beber as histórias e para participar nelas – e muitas vezes é possível reconstruí-las como se fossem castelos de legos, cada um a querer acrescentar um elemento à história, um arrebite, uma torre mais alta, um mimo, uma palavra.
No final, os alunos mais velhos, que muitas vezes não desvendam nada, não exteriorizam, mostram a sua gratidão, em respeito, saindo silenciosamente da sala, talvez ainda a pensarem nas reflexões que pairam sobre as suas cabeças, das histórias, na circunstância do momento, que para eles é a vida ali exposta. Alguns deles ficam para trás, para falarem comigo em particular, para me dizerem coisas que não dirão a mais ninguém. E os pequeninos, esses, vêm abraçar-me as pernas e pedir-me beijinhos e dizer-me que sou bonita – “muito, muito”.
Os professores recebem-me sempre com um sorriso nos lábios, mesmo andando a nadar na máquina burocrática em que Governos sucessivos mergulharam as escolas, preparam os alunos para o momento e vê-se que os seus dias, a marcar compassos de espera num país que se faz lento e adormecido, se fazem destes momentos compensatórios. Assim marcam pontos. 

São mágicos estes encontros.
Têm a magia de me tornarem uma pessoa mais rica e mais feliz. Eu não os trocaria por nada.           

Maio. Faz calor de Primavera: venho do Centro Escolar de Freamunde, onde sou AUTORA DO MÊS, com as minhas fábulas AS FAMÍLIAS DOAS ANIMAIS. Eu aprendo TANTO com os pequeninos!
Os pequeninos do Pré-escolar: “A cadelinha estava triste, porque queria um namorado. Casaram e tiveram filhos. Houve muito sol.”


Fiquemos, pois, a atender os dias na primavera da vida, que se faz essencialmente da PARTILHA.

Sem comentários:

Enviar um comentário