Etiquetas

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

SONHOS DE NATAL

É necessário sair da ilha para ver a “ilha”. Não nos vemos se não saímos de nós.
José Saramago, O Conto da Ilha Desconhecida


Anabela Borges
DR
É inverno. E é quase Natal.
E a minha terra acorda assim, mergulhada nas brumas, vapores vagarosos que se soltam das montanhas em redor, fumos frios que sobem, lentos, do rio – mistério quase parado, a querer saber das origens do tempo, enquanto pequenos bandos de pássaros tardios batem em debandada dos telhados à espera de quase nada.
Soltam-se os fumos das chaminés e tudo começa a ganhar a azáfama própria desta época do ano. Para os mais jovens, são as férias de Natal. E enquanto a geada cai, silenciosa e fria, a pôr as ervas duras como palitos e as águas dos tanques lisas e paradas no tempo como espelhos finos e frágeis, os vidros embaciados transpiram o calor das casas. O tempo traz-lhes uma ansiedade genuína, espreitam lá para fora, limpando os vidros com as palmas das mãos, como quem diz adeus a mais um dia, fazendo com que pequenas gotas deslizem, rápidas, como lágrimas de desejo. E cada dia vai enchendo mais e mais os olhos das crianças de um brilho inquieto, a espreitar para o céu, à procura de um sinal, como metidos numa redoma quentinha, ou numa daquelas bolas com um cenário lá dentro, onde o tempo está suspenso num momento específico com bolhas a flutuar.
Natal, Natal, Natal.
Por momentos, muitos de nós ainda temos o privilégio de adormecer nos “sonhos de Natal”, ainda temos o calor da casa, o pinheirinho, a toalha de motivos natalícios recheada de bons comeres e beberes, uns com mais esforço, outros com menos, outros assim-assim. Ainda temos a família, o abraço, as faces coradas pela alegria momentânea. 
Quando a noite já estiver tão inclinada que cobrirá por completo o chão, estaremos adormecidos nesses sonhos, entontecidos em falsas esperanças, felizes…
O tempo entretece os seus sarilhos, e anda para a frente e para trás e, às vezes, para os lados, assim como um pêndulo, a empatar o espaço. E quando nos dermos conta, estaremos mergulhados num novo ano: a correr, em sobressaltos, em angústias diárias, em pequenas alegrias, surpresas, e mais ou menos a mesma fímbria de esperança que até aí nos tem conduzido. 
Se nos predispusermos, por um tempinho que seja, a pensar seriamente na vida, saiamos um pouco para fora de nós, que, como diz Saramago, a única forma de vermos a ilha é saindo da ilha.
FELIZ NATAL e BOM ANO!

Sem comentários:

Enviar um comentário