Etiquetas

sábado, 8 de outubro de 2011

OPINIÃO: A PALHAÇADA DA ADD, POR ANABELA MAGALHÃES

Confesso que não quis acreditar, porque podia ser diz que disse e diz que foi, mas até batia certo com a informação que eu já tinha mais ou menos recebido oralmente dentro da Escola, off-reccord, claro está!, é uma coisa que corre em surdina, sim é assim, mas estas coisas não se escrevem porque quem tem cu tem medo e uma coisa é a palavrinha dita e outra a palavrinha escrita e há muito pouca gente a assumi-la, à escrita, pois se até à oral!, num processo deprimente que diz bem do estado catatónico em que este país se encontra.
Pois hoje tive a confirmação desta história da ADD, da ADD em todo o seu esplendor. E darei mais novas, logo que possível, sobre tão apaixonante tema - uma ADD mal-parida e mal-morta que não tem ponta por onde se lhe pegue.



As Tripas, Nojentas, da ADD

Pode uma CADE determinar, por decisão administrativa, a não atribuição de excelentes a todo um agrupamento e dar indicações nesse sentido a todos os avaliadores?
Pode um Director, iluminado e de inteligência acima da média, decidir que os coordenadores e os relatores não precisam de aulas observadas para acederem a uma avaliação de Muito Bom ou de Excelente?
Pode uma CADE decidir, administrativamente, esgotar as quotas de Muito Bom e de Excelente em determinada Escola ou Agrupamento e espalhá-las como quem espalha pétalas de rosas sobre noivos em dia de casamento?
Pode um membro de uma CADE argumentar a um avaliado, que o informa que vai contestar a avaliação, que este, ao contestar, vai pôr em causa a distribuição de Muita Bons feita pela CADE, porque, como muito bem sabe o avaliado, os xalentes, a não serem atribuídos, são convertidos em maior número de Muita Bons que é para dar para todos em distribuição assim a modos que igualitária?
Pode  um avaliado aceitar uma avaliação que não é a sua e que ele nem sabe de quem é?

Sem comentários:

Enviar um comentário