Etiquetas

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Ler é Viver em Revista 2009 - A nossa Dudu com a sua maravilhosa poesia!

Maria Eduarda de seu nome com quem tive o prazer de falar já ao telefone. Excelente pessoa e poetisa. Parabéns pelas melodias poéticas que escreve e em 2010 não se safa de escrever uma em exclusivo para este blogue!


Muitas vezes
vigio-me no meu silêncio,
e tento decifrar-me,
como se de um livro se tratasse.
Algumas vezes
encontro-me só,
no cruzar de conversas,
de conteúdo vazias.
Poucas vezes
deixo de sorrir
quando pretendo
que alguém distraído,
comigo sorria.
Nenhumas vezes
me adianto,
e me centro
ávida de atenção.

O saber vem de dentro,
sem roupagens de momentos,
sem artifícios sedentos
de exposição permanente.
Valiosa é a mente,
instruída, autêntica,
em constante procura,
em saudável loucura.

maria eduarda

6 comentários:

  1. DA VEIA POÉTICA DA DUDU EDUARDINHA É QUE ESTE CHOA DESCONHECIA O ENCANTAMENTO!
    UM 2010 SEM NUVENS! E A ELSA C DO RICARDO OUTRO MÃE ?
    COM PAZ PRA TODOS OS HUMANOS!
    KAKA KAKA KAKA KAKA HOJE PARAFRASEIO ANABELA
    MAS NÃO SOU EU O FUTEBOLISTA BRASILENHO.
    qUEM ADIVINHA O NOME DO FUTEBOLISTA FILÕSOFO?

    ResponderEliminar
  2. A Dudu é um talento, eu já lhe disse que temos que publicar um livro com os seus poemas.
    Porto Editora, Lisboa Editora andam por aí???????????

    ResponderEliminar
  3. Olhe amigo Ricardo que para publicar um livro só temos duas hipóteses estratégicas ou desembolsar pipa de massa e «dar» nosso trabalho suado e digno ou bater palmadinhas em costas camaradas e alinhar na «vergonha das capelinhas» -- digo-lhe isto por experiência e que optei pela 1ª hipótese que digna de minha verticalidade... E há a net onde tudo demos a custo de um clic e donde recebemos a paga que é o amor a nosso trabalho... reconhecido!

    ResponderEliminar
  4. Pois há sempre um lado bom e outro mau da coisa.
    Eu vei sei o que é isso, infelizmente!
    Mas acima de tudo mater a nossa dignidade!

    ResponderEliminar
  5. Nunca pensei em publicar nada. É um acto que pratico, e que me faz bem, liberta-me, e quando os meus leitores gostam da minha escrita, sinto-me lisongeada. Obrigada ao Angelo e ao Ricardo.

    ResponderEliminar